ANTERO DE ALDA Photography Recent Works


Mozart: the unlikely death


The Boy Mozart, oil on canvas by PIETRO ANTONIO LORENZONI, 1763.





«Appearances and genius don’t always go along...»

ANTONIO SALIERI in 'Amadeus' (Milos Forman, 1984).



Wolfgang Amadeus Mozart, like Giotto and Galileo, was a small man: an eccentric genius with little more then five feet. Smallpox, which attacked him (as it did to his sister Anna, or "Nannerl") at the age of 11, left some scars on his face — which was oversized, with a soggy jaw and prominent nose, surmounted by thick hair that hid a congenital deformity in his left ear. Here is a caricatured picture of an almost grotesque figure, that that also behaved somewhat ridiculous and in a stubborn way, which hampered him to raise money or friendships.


Son of Leopold Mozart, an illustrious (and strict) violinist of the Bishops of Salzburg, he played the piano by the age of 3 and soon after started to tune violins, memorizing music scores, became an expert in harpsichord and began to compose.


Almost as pursued by his successive physical weaknesses as by his reputation of precocious genius, he suffered since his troubled birth, respiratory infections, slow pulse and cardiac arrhythmias (with vertigo), arthritis, persistent vomiting, delirium, skin rashes, pneumonia... At the age of 35, he once and for all perished. Beside him were his wife Constanze (which many experts consider — foolishly, I suppose — as being frivolous and irresponsible), his sister-in-law Sophie and perhaps also his mother-in-law Cäcilia, with her eldest daughter, Josepha Hofer, who two months earlier was the first soprano to interpret the resourceful role of Queen of the Night in The Magic Flute, in one of the several theatres, in Vienna.





«I am an ordinary man.»

MOZART in 'Amadeus' (Milos Forman, 1984).



As a consequence for his disinterest in perks, both in death and in life (other theories consider that this was common practice in the eighteenth century Austria), Mozart was buried in a shallow grave, and soon his remains were lost. A victim of morbid conflicts between experts in politics, music and medicine, he was diagnosed at least 118 possible causes of death over the past 200 years: syphilis, murder (at the hands of the 'jealous' Salieri or by the assassins of the reformist Emperor Joseph II or still, by Masonry), rheumatic fever... and even larvae infection caused by eating undercooked pork.


Mozart was not victim of toxaemia (monarchical, masonic, gravidarum?) which stroked mortally in that time the archduchesses sisters Maria Joanna and Maria Josepha Gabriella (the later destined to marry the King of Naples and Sicily, Ferdinand IV), or their sister-in-law, Josepha of Bavaria (second wife to Emperor Joseph II). Neither was claimed as tragic, lyrical or an epic death in the Danube, as it happened with Krumpholtz, Celan, Gherasim Luca... in the Seine channels. Can’t the hypocrite speculators of Wolfgang’s corpse admit that a genius may die as an ordinary man?


On August 18th of 2009, a study by a group of experts from the University of Amsterdam, published in the North American Annals of Internal Medicine, states that Mozart died of a bacterial infection that caused high fevers and skin irritation, with kidney complications that made his body swell. Illnesses which much of the same age population in the Austrian capital suffered (including renal oedema, which can cause facial swelling), in that stormy end of autumn of 1791. Still, so state the chronicles; the sky was clear on the morning of that fateful day on December the 5th, despite the stormy and chilly winds of the previous nights.




Other improbabilities

Constanze Mozart — Some romanticized biographies ensure that Mozart was abandoned by his wife at the end of his life, which lead to the musician’s burial in a common grave, unidentified. The truth is that the only separations were temporary and justified on health grounds: Constanze travelled with Mozart himself or her son Karl to Germany for thermal treatments (respecting the Caracalla traditions, the baths of Baden Baden are renowned as Europe's best) and she always returned to Vienna, shortly after. Judge the theses of adultery by yourself, but Constanze (as well as her sister Josepha) regularly participated in the works of her husband and their sixth son was born just a few months before the musician died. More than neglected by his wife, Mozart must have been neglected by his few friends, particularly by the brand new king, Leopold II, who succeeded Joseph II at the helm of the Austro-Hungarian Empire.

Nor will it be too legitimate to charge Constanze of financial follies (more befitting of a stubborn genius than of a satisfactory soprano), since she was very skilful in the management of profits derived from Mozart’s works after his death. Indeed Mozart was not poor: revenues of his hard work over his last year of life were estimated at 5,763 florins! But his lifestyle, His health expenditure (consider the case of the cure of Constanze in Baden Baden) and his countless trips cost him dearly and have not always benefitted him. Obviously, after his death, it was not difficult to pay the accumulated debt of 3,000 florins.

Constanze remarried. Her second husband, Georg Nikolaus von Nissen (Danish writer and diplomat), was an admirer of Mozart and wrote his first major biography, published in 1828, two years after his death.

The widow of Mozart and of Nissen lived up to the age of 80 (1762-1842).


Antonio Salieri — It was very badly treated by Milos Forman and by all who had the impulse to create legends surrounding the life (and especially death) of Mozart: Pushkin and Rimskji-Korsakov, in drama and opera ‘Mozart and Salieri' in 1830 and 1898; Peter Shaffer in the play of 1970 that would inspire the 1984 movie. Would he really have been obsessed with Mozart (jealous of his magnificent work — at least he knew it!) and by his lovers? Did he really committed suicide (Cut his throat, so say the more barbaric) in an auspice, a final remorse access, shortly after confessing to have poisoned his rival with... antimony, acqua Toffana? Pure fantasy! The two renowned doctors who aided the musician in his conclusive days (Thomas Franz Closset and Matthia Sallaba) immediately withdrew this hypothesis.

Salieri was orphaned by father and mother at 16 years old and was fortunate to work with the composer Florian Gassmann in Vienna, thereby getting to know and gaining the friendship of Emperor Joseph II. He attained some celebrity at that time and his opera «Tarare» was more applauded than «Don Giovanni» (both premiered in 1787). He was chosen by the Episcopate, to the detriment of the genius Amadeus, but he would be incompatible with the successor of Joseph II. He was one of the few to recognize in life, the importance of the Mozartian aesthetics. He teached Beethoven, Liszt and Schubert, among others, and he was known to have shared some of his students with Mozart himself. He died in 1825, over 75 years old.


Bacterial Infection — It is often assumed that an infection of “streptococcus”, such as the one that may have accelerated the death of Mozart (according to the team of experts of the Dutch university led by Dr. Richard H.C. Zegers), would now be easily cured by a simple antibiotic. However, in believing in the bulk of diseases to which he was diagnosed, there were not many chances that Mozart would have had a long life.


'Requiem' — The 'Missa pro Defunctis', commissioned in July of 1791 by an illustrious stranger (it was later acknowledged that it was in fact Count Franz von Walsegg, who had the habit of ordering operas to famous composers, in order to give private concerts in his castle of Gloggnitz), brought work and despair to the already weakened Mozart: lead him to think that he was writing his own funeral mass, adding to the theories of pre-Kafkaesque poisoning. In fact, the Austrian aristocrat ordered 'Requiem in C minor' (completed by a pupil of Mozart) in honour of his young wife, deceased in February of that year. Reportedly, it debuted in 1793 and he was not remarried.


Deaths in the Seine — Tragic, yes; but probably far more common than lyrical or epical. Laura Erber, the Brazilian artist known for her work on the river from the capital of France, stated in November of 2008 that in the Paris region alone, are retrieved from the Seine about 180 bodies each year. By some accounts, though in smaller numbers, the Seine and surely the Danube have certainly hosted multiple anonymous suicides. All in all, would it be a good choice for Mozart?

English version 


Antero de Alda: Câmara Antiga (Mozart — a morte improvável)








  Post 041 -  Outubro de 2010  


foto: Carlos Vilela 2010



pesquisar neste blog




o editor pergunta-me...

          [ a reserva de Mallarmé ]





o ministro foi às putas de pequim

manual de sobrevivência [ XXV ]

o comboio de... Cristina Peri Rossi

o tesoureiro de Leipzig

manual de sobrevivência [ XXIV ]

manual de sobrevivência [ XXIII ]

manual de sobrevivência [ XXII ]

e o lado oculto da Europa...

a Espanha oculta de...

          [ Cristina García Rodero ]

o cortejo dos amortalhados

EU — only for rich

a essência do Capitalismo

a essência de um Capitalista

os filhos do Diabo

manual de sobrevivência [ XXI ]

ódio à Democracia [ III ]

ódio à Democracia [ II ]

ódio à Democracia [ I ]

Warhol [ 85 anos ]

manual de sobrevivência [ XX ]

manual de sobrevivência [ XIX ]

manual de sobrevivência [ XVIII ]

taitianas de Gauguin

retratos de Van Gogh

nunca serei escravo de nenhum terror

as coisas [ Jorge Luis Borges ]

manual de sobrevivência [ XVII ]

manual de sobrevivência [ XVI ]

Portugal, noite e nevoeiro

o corno de Deus

manual de sobrevivência [ XV ]

manual de sobrevivência [ XIV ]

manual de sobrevivência [ XIII ]

a filha de Galileu

um museu para o Eduardo

manual de sobrevivência [ XII ]

manual de sobrevivência [ XI ]

Torricelli, Pascal, Hobbes, razão, utopia e claustrofobia

manual de sobrevivência [ X ]

manual de sobrevivência [ IX ]

os diabos no quintal

     [ histórias de homens divididos

       entre muitos mundos ]

o pobre capitalismo...

as Madalenas de Caravaggio

manual de sobrevivência [ VIII ]

o alegre desespero [ António Gedeão ]

manual de sobrevivência [ VII ]

manual de sobrevivência [ VI ]

manual de sobrevivência [ V ]

manual de sobrevivência [ IV ]

manual de sobrevivência [ III ]

sombras [ José Gomes Ferreira ]

Phoolan Devi [ a valquíria dos pobres ]

schadenfreude [ capitalismo e inveja ]

a vida não é para cobardes


a III Grande Guerra


EU — die 27 kühe [ as 27 vacas ]

europa tu és uma puta!


o daguerreótipo de Deus...

o honrado cigano Melquíades...

cem anos de solidão...

manual de sobrevivência [ II ]

o salvador da América [ Allen Ginsberg ]

o salvador da América [ Walt Whitman ]

[ revolução V ] as mães do Alcorão

[ revolução IV ] paraíso e brutalidade

[ revolução III ] andar para trás...

[ revolução II ] para onde nos levam...

[ revolução I ] aonde nos prendem...

o problema da habitação

cartas de amor

a herança de Ritsos

as piores mentiras

elegia anti-capitalista

da janela de Vermeer

manual de sobrevivência [ I ]

de novo o Blitz...

antes de morrer

as valquírias

forretas e usurários

           [ lições da tragédia grega ]

Balthus, o cavaleiro polaco

abençoados os que matam...

diário kafkiano

Bertrand Russell: amor e destroços

U.E. — game over

DSK: uma pila esganiçada



o tempo e a eternidade

Bucareste, 1989: um Natal comunista


o Homem, a alma, o corpo e o alimento

          [ 1. a crise da narrativa ]

          [ 2. uma moral pós-moderna? ]

          [ 3. a hipótese Estado ]

o universo (im)perfeito

mural pós-moderno

Lisboa — saudade e claustrofobia

          [ José Rodrigues Miguéis ]

um cancro na América

Marx, (...) capital, putas e contradições

ás de espadas

pedras assassinas

Portugal — luxúria e genética

rosas vermelhas

Mozart: a morte improvável

1945: garrafas

1945: cogumelos

bombas de açúcar

pão negro

Saramago: a morte conveniente

os monstros e os vícios

porcos e cinocéfalos

o artifício da usura

a reserva de Mallarmé

o labirinto

os filhos do 'superesperma'

a vida é uma dança...

a puta que os pariu a todos...

walk, walk, walk [Walter Astrada]

Barthes, fotografia e catástrofe

Lua cheia americana [Ami Vitale]

a pomba de Cedovim

o pobre Modigliani

o voo dos pimparos

o significante mata?

a Europa no divã

a filha de Freud

as cores do mal

as feridas de Frida

perigosa convivência

—querida Marina! («I'm just a patsy!»)

a grande viagem...

histoire d'une belle humanité

o coelhinho foragido

o sono dos homens...

«propriedade do governo»

os dois meninos de O'Donnell

o barco dos sonhos

farinha da Lua

o enigma de Deus

«nong qua... nong qua...»

«vinho de arroz...»

magnífica guerra!

a lei do Oeste...

Popper (1902-1994)







os dias todos iguais, esses assassinos...


Mozart: a morte improvável





The Boy Mozart, óleo s/ tela atribuído a PIETRO ANTONIO LORENZONI, 1763.





«A aparência e o génio nem sempre vão juntos...»

ANTONIO SALIERI em 'Amadeus' (Milos Forman, 1984).



Wolfgang Amadeus Mozart, como Giotto e Galileu, era pequeno: um génio excêntrico com um pouco mais de metro e meio de altura. A varíola, que o atacou (como à sua irmã Anna, ou 'Nannerl') aos 11 anos, deixou-lhe algumas cicatrizes no rosto — desproporcionado, de queixo empapado e nariz proeminente, encimado por uma espessa cabeleira que escondia uma deformação congénita na orelha esquerda. Eis o retrato caricaturado duma figura quase grotesca, que além disso tinha comportamentos um tanto ridículos e uma teimosia que não lhe permitiam juntar dinheiro nem amizades.


Filho de Leopold Mozart, um ilustre (e severo) violinista do Episcopado de Salzburg, aos 3 anos já tocava piano e pouco depois afinava violinos, decorava partituras, tornava-se especialista em cravo e começava a compor.


Quase tão perseguido por sucessivas debilidades físicas como pela fama de génio precoce, sofreu, desde o atribulado nascimento, de infecções respiratórias, pulso lento e arritmias cardíacas (com vertigens), artrite, vómitos persistentes, delírios, erupções cutâneas, pneumonia... Aos 35 anos sucumbiu definitivamente. Ao seu lado estavam a esposa Constanze (que muitos especialistas consideram — levianamente, suponho — frívola e irresponsável), a sua cunhada Sophie e consta que também a sogra Cäcilia com a filha mais velha, Josepha Hofer, que dois meses antes fora a primeira soprano a interpretar o engenhoso papel de Rainha da Noite, em A Flauta Mágica, num dos vários teatros de Viena.





«Sou um homem vulgar.»

MOZART em 'Amadeus' (Milos Forman, 1984).


Fruto do seu desinteresse pelas mordomias, na morte como na vida (outras teorias admitem que era assim que se fazia na Áustria de Setecentos), Mozart foi sepultado numa campa rasa, e pouco depois perderam-se os seus restos mortais. Vítima de mórbidos conflitos entre especialistas em política, música e medicina, ao longo dos últimos 200 anos foram-lhe diagnosticadas pelo menos 118 possíveis causas de morte: sífilis, homicídio (pelo 'invejoso' Salieri ou pelos assassinos do imperador reformista Joseph II ou ainda pela Maçonaria), febre reumática... e até infecção de larvas por ingestão de carne de porco mal cozida.


Mozart não foi vítima das toxemias (monárquicas, maçónicas, gravídicas?) que atacaram mortalmente, na mesma época, as irmãs arquiduquesas Maria Joana e Maria Josepha Gabriella (esta destinada a casar-se com o rei de Nápoles e Sicília, Ferdinand IV), ou ainda a cunhada de ambas, Josepha da Baviera (segunda esposa do imperador Joseph II). Tão pouco reclamou uma morte trágica, ou lírica, ou épica nas águas do Danúbio, como o fizeram Krumpholtz, Celan, Ghérasim Luca... nos canais do Sena. Os hipócritas especuladores do cadáver de Wolfgang não admitem que um génio possa morrer como um homem vulgar?


Em 18 Agosto de 2009, um estudo de um grupo de especialistas da Universidade de Amesterdão, publicado na revista norte-americana Annals of Internal Medicine, refere que Mozart faleceu de uma infecção bacteriana, que lhe provocou febres altas e irritação na pele, com complicações nos rins que lhe fizeram inchar o corpo. Males de que (incluindo o edema renal, que pode provocar inchaços faciais) sofria grande parte da população com a mesma idade na capital da Áustria naquele tempestuoso fim de Outono de 1791. Ainda assim, rezam as crónicas que o céu estava limpo na madrugada desse fatídico dia 5 de Dezembro, apesar dos ventos tormentosos e gélidos das noites anteriores.



Outras improbabilidades

Constanze Mozart — Algumas biografias romanceadas garantem que Mozart foi abandonado pela mulher no final da sua vida, levando a sepultarem o músico numa campa comum e sem identificação. A verdade é que as únicas separações foram passageiras e justificadas por motivos de saúde: Constanze deslocava-se com o próprio Mozart ou o filho Karl à Alemanha para curas termais (respeitando a tradição de Caracala, as termas de Baden Baden têm fama de ser das melhores da Europa) e regressava sempre a Viena pouco tempo depois. Faça-se o que se quiser com as teses de adultério, mas Constanze (como a sua irmã Josepha) interpretava com regularidade as obras do marido, e o sexto filho de ambos nasceu poucos meses antes do músico falecer. Mais do que negligenciado pela esposa, tê-lo-á sido pelos poucos amigos, e sobretudo pelo novíssimo soberano, Leopold II, que sucedeu a Joseph II na liderança do Império Austro-Húngaro.

Também não será muito legítimo acusar Constanze de desvarios financeiros (mais próprios de um génio teimoso do que de uma soprano satisfatória), pois ela mostrou-se muito hábil na gestão dos lucros com a obra de Mozart após a morte deste. Aliás, Mozart não era pobre: as receitas do seu intenso trabalho no último ano de vida foram calculadas em 5.763 florins! Mas o seu estilo de vida, as despesas com saúde (veja-se o caso da cura de Constanze em Baden Baden) e as inúmeras viagens custavam-lhe muito caro e nem sempre lhe traziam benefícios. Obviamente, depois da sua morte não foi difícil pagar os 3.000 florins de dívidas acumuladas.

Constanze voltou a casar-se. O seu segundo marido, Georg Nikolaus von Nissen (escritor e diplomata dinamarquês), era um admirador de Mozart e escreveu-lhe a primeira grande biografia, publicada em 1828, dois anos depois de morrer.

A viúva de Mozart e Nissen viveu até aos 80 anos (1762-1842).


Constanze Mozart (Weber de nascimento) numa pintura de JOSEPH LANGE,1782.



Antonio Salieri — Foi muito mal tratado por Milos Forman e por todos quantos tiveram o impulso de criar lendas à volta da vida (e sobretudo da morte) de Mozart: Pushkin e Rimskji-Korsakov, no drama e na ópera 'Mozart e Salieri', em 1830 e 1898; Peter Shaffer, na peça de 1970 que haveria de inspirar o filme de 1984. Terá realmente vivido obcecado por Mozart (ciúmes pela magnificência da obra — ao menos ele sabia-o!) e por amantes? Que se suicidou (degolou-se, dizem os mais bárbaros) num auspício, num derradeiro acesso de remorso, pouco depois de confessar ter envenenado o seu rival com... antimónio, acqua toffana? Pura fantasia!

Os dois reputados médicos que assistiram o músico nos seus últimos dias (Thomas Franz Closset e Matthia Sallaba) afastaram desde logo esta hipótese.

Salieri ficou órfão de pai e mãe aos 16 anos e teve a sorte de trabalhar com o compositor imperial Florian Gassmann em Viena, travando assim conhecimento e amizade com o imperador Joseph II. Atingiu alguma celebridade na época e a sua ópera «Tarare» foi mais aplaudida do que «Don Giovanni» (ambas estreadas em 1787). Foi escolhido pelo Episcopado, em detrimento do génio Amadeus, mas também se incompatibilizou com o sucessor de Joseph II. Foi um dos poucos a reconhecer, em vida, a importância da estética mozartiana. Foi professor de Beethoven, Liszt e Schubert, entre outros, e consta que recomendou alguns dos seus alunos ao próprio Mozart. Faleceu em 1825 com quase 75 anos de idade.


Infecção bacteriana — Admite-se muitas vezes que uma infecção de "streptococcus", como a que terá acelerado a morte de Mozart (segundo a equipa de especialistas da universidade holandesa liderada pelo Dr. Richard H. C. Zegers), seria hoje facilmente anulada com um simples antibiótico. No entanto, a crer na quantidade de doenças que lhe foram diagnosticadas, não havia muitas probabilidades de Mozart poder ter grande longevidade.


'Requiem' — A 'Missa pro defunctis', encomendada em Julho de 1791 por um ilustre desconhecido (mais tarde veio a saber-se que foi o Conde Franz von Walsegg, que tinha por hábito encomendar óperas de compositores famosos para dar concertos privados no seu castelo de Gloggnitz), provocou trabalho e desespero ao já debilitado Mozart: serviu para levá-lo a pensar que estaria a escrever a sua própria missa fúnebre, alimentando as teorias pré-kafkianas de envenenamento. Na verdade, o aristocrata austríaco mandou escrever o 'Requiem em Dó menor' (terminado por um aluno de Mozart) em honra da sua jovem esposa, falecida em Fevereiro daquele mesmo ano. Segundo consta, estreou-o em 1793 e não voltou a casar.


Mortes no Sena — Trágicas, sim, mas provavelmente muito mais vulgares do que líricas ou épicas. Laura Erber, artista brasileira conhecida pelos seus trabalhos sobre o rio da capital da França, refere em Novembro de 2008 que só na região de Paris são resgatados do Sena cerca de 180 corpos todos os anos. Segundo alguns relatos, embora em menor número, o Sena e decerto também o Danúbio sempre foram palco de múltiplos anónimos suicidas. Afinal, uma boa escolha para Mozart?




anterior  |  início  |  seguinte




A alma tem muitos inquilinos

que estão frequentemente em casa todos ao mesmo tempo.



webdesign antero de alda, desde 2007