ANTERO DE ALDA Photography Recent Works

 

A cancer on America

 

Last Saturday, November 13th, was released the Burmese dissident and Nobel Peace Prize (1991), San Suu Kyi. Speaking of freedom, I recall in which Kyi pointed to her head and said something like this: «In here I am free. In here they cannot strike me...»

 

The episode reminded me of Allende. Perhaps because also in the head of the President of Chile toppled in 1973, there was a certain disease, a 'cancer' that America would not wanted to understand. Let's approach the current Chilean affair, since next December 10th marks the celebration of four years pasted, since the death of the dictator Pinochet.

 

Passing through one university at Rome, the Mexican poet Carlos Fuentes said: «El diablo va a tener un mal día, porque le van a quitar la presidencia del infierno.» (The Devil will have a bad day, because they’ll steal him the presidency of hell)

 

If Americans have regretted the dictatorship years in Chile, it is legitimate to expect that the Communists may also regret the repression on the Republic of Myanmar.

How far is it, all in all, heaven from hell?

 

 

 

 

 

 

Allende’s resistance to the air strike on the La Moneda Palace, Santiago.

photo by ORLANDO LAGOS/The New York Times, September 11th, 1973.

The photographer's identity was not revealed until one year after his death in February 2007.

World Press Photo Award

 

 

«Poor Pinochet must be imprisoned.» According to El Negro (Carlos Jorquera, journalist, member of GAP, and a survivor of La Moneda), those were the exact words of Salvador Allende, pronounced what would be about seven-thirty in the morning of September 11th, 1973, shortly after learning that the Navy had been infected by traitors who were preparing to coup the power in Valparaíso. The Chilean president took his Army Chief of Staff for innocent, but in the body of this insidious chained America, heiress of McCarthyism, the only innocent (the only true naives) could only be the communist intruders.

 

 

 

El diablo Pinochet: some dictatorship chapters

 

«I will not retreat a single step! Let them know that I’ll only abandon La Moneda when I fulfil the term of office given to me by the people. Only by riddling my body with bullets shall I be prevented from fulfilling the popular program.»

ALLENDE, National Stadium of Santiago, December 2nd, 1971.

 

 

1. The son of the bitch

The lonely resistance of Allende began with a long chase from the CIA long before 73, but the greatest threat to the leader of the Popular Unity government took place under President Nixon: «—Son of a bitch! —Son of a bitch!» cried out the USA President in his office, in the White House, beating furiously with his right fist into the palm of his left hand. According to an investigation conducted by Chilean filmmaker Patricio Henriquez ('El Ultimo Combate de Salvador Allende' – Salvador Allende’s final battle – Télé-Québec/France 3, 1998), half of the U.S.A. and much of Europe — the Vatican, the Christian democracies of Italy and Germany, the royal families of Belgium and the Netherlands ... — Were committed and only rested when La Moneda started to burn.

 

2. September

September was the month of the coup and it was the preferred month for the executions. It was in September that the Dirección de Inteligencia Nacional (National Intelligence Direction), the so called DINA, loved to kill. Prats (General Carlos Prats, a former commander in chief of the army) was murdered on the 30th, in Buenos Aires, September, 1974. Letelier (Orlando Letelier, a diplomat and political opponent of the regime) was also the victim of a device manufactured by Michael Townley, allegedly remotely operated by dissident Cubans living in Miami, on the 21st, in Washington, September, 1976. It was essentially in September that the bodies of communists appeared floating in the rivers of Chile.

 

3. In the rivers of Chile...

The mornings of the days that followed the September 11th were for counting the dead. For 15 years, hundreds of widows would go to the banks of rivers Ñuble and Mapocho, or would travel to the port of Talcahuano, hoping to recover the bodies of their missing husbands. Many were recovered without head, with hands tied behind their backs, burned by cigarette butts, riddled with bullets and with crushed testicles. Others never appeared, because they were tossed into the waters of army helicopters, after being cut open by the abdomen and eviscerated, so that they would not float.

 

4. The Anarchist Cookbook, trinitrate and Chanel bottles

Michael Townley was an American adventurer, a neo-Nazi bourgeois who pledged his services to General Contreras (then director of DINA). He and his girlfriend used to gather groups of fascists on the streets of Santiago to protest against the Allende’s government, accusing it of pursuing the rich and favouring the poor. With the help of 'The Anarchist Cookbook' (by William Powell, 1971), Townley became an expert in the preparation of Molotov cocktails and other plastic explosives with TNT with sugar, to which he called «dirty bombs». For what he called «discrete deaths», he wore Chanel perfume bottles with asphyxiating gas.

 

5. The disco, the sex-shop and Valoria

The sailboats "Lebu", "Maipo" and "La Esmeralda" (the imposing Chilean Navy vessel-school, also known as White Lady), as well as the infamous Colónia Dignidad (Villa Baviera, founded in 1961 by a group of former German-Nazis) were used by the secret police torture practices. According to reports from survivors, who testified for a documentary filmed by British director Christopher Olgiati ('The Assassin', BBC-Paladim, 1992), in one of those numerous torture centres there was a room which they called «disco», because they put music to muffle the screams of the victims. Besides the «disco» there was another room, which they called «sex-shop», where they held painful sexual abuses with the help of a huge hound, named Valoria.

 

 

«Mis palabras no tienen amargura sino decepción. Que sean ellas el castigo moral para los que han traicionado el juramento que hicieron. (My words contain no bitterness, but disappointment. Let them morally punish those who have betrayed the oath which they have taken)»

ALLENDE, in the historical speech of September 11th, 1973.

 

«Andaban a zancadas por las tremendas cordilleras, por las Américas encrespadas, buscando patatas, butifarras, frijolitos, tabaco negro, oro, maíz, huevos fritos, con aquel apetito voraz que nunca más se ha visto en el mundo... Todo se lo tragaban, con religiones, pirámides, tribus, idolatrías iguales a las que ellos traían en sus grandes bolsas... Por donde pasaban quedaba arrasada la tierra... Se llevaron el oro y nos dejaron el oro... Se lo llevaron todo y nos dejaron todo... Nos dejaron las palabras.»

"They walked with tremendous strides through the huge mountain ranges, by the curled Americas, looking for potatoes, sausages, beans, black tobacco, gold, corn, fried eggs, with that voracious appetite that has never been seen again in the world ... Swallowed it all, with different religions, pyramids, tribes, idolatries the same as they were bringing in their large bags... Wherever they passed, the earth was scorched... They took the gold and left us the gold... They took everything and left us everything... They’ve left us the words."

PABLO NERUDA, 'Las palabras', in Memorias, 1974.

 

Inspired on the giant vulture that flies over and terrorizes the Andes mountain range, the tragic Operation Condor was fatal to the malign communist flesh, not only in Chile but also in Argentina, Bolivia, Brazil, Paraguay and Uruguay. For Nixon, Kissinger, Haig ... and ultimately for all that melodramatic and hypochondriac America, it was a kind of healing that made them suffer more than the disease itself.

 

____

Lo que las palabras no dicen (That which words don’t tell)

When on the daybreak of December 11th, 2006, in the Hall of Honor of the Military School of Libertador Bernardo O'Higgins, in Santiago, the body of Pinochet was watched over, Francisco Cuadrado Prats (grandson of Carlos Prats) approached the deceased and spit in his face, over the glass dome. They asked him why he had done such a thing and if he was afraid of retaliation. He replied: «Él asesinó mis abuelos!» (He murdered my grandparents!) And afterwards told the newspaper: «Sólo fue un gesto y los gestos dicen lo que las palabras no pueden expresar.» (It was a single gesture and gestures say what words cannot express)

 


English version 

 

Antero de Alda: Câmara Antiga (um cancro na América)

 

 

contacto

poesia

fotografia

home

 

  Post 047 -  Novembro de 2010  

 

foto: Carlos Vilela 2010

 

www.anterodealda.com

 

 

pesquisar neste blog

 

Recentes

 

o editor pergunta-me...

          [ a reserva de Mallarmé ]

 

 

Antigas

 

o ministro foi às putas de pequim

manual de sobrevivência [ XXV ]

o comboio de... Cristina Peri Rossi

o tesoureiro de Leipzig

manual de sobrevivência [ XXIV ]

manual de sobrevivência [ XXIII ]

manual de sobrevivência [ XXII ]

e o lado oculto da Europa...

a Espanha oculta de...

          [ Cristina García Rodero ]

o cortejo dos amortalhados

EU — only for rich

a essência do Capitalismo

a essência de um Capitalista

os filhos do Diabo

manual de sobrevivência [ XXI ]

ódio à Democracia [ III ]

ódio à Democracia [ II ]

ódio à Democracia [ I ]

Warhol [ 85 anos ]

manual de sobrevivência [ XX ]

manual de sobrevivência [ XIX ]

manual de sobrevivência [ XVIII ]

taitianas de Gauguin

retratos de Van Gogh

nunca serei escravo de nenhum terror

as coisas [ Jorge Luis Borges ]

manual de sobrevivência [ XVII ]

manual de sobrevivência [ XVI ]

Portugal, noite e nevoeiro

o corno de Deus

manual de sobrevivência [ XV ]

manual de sobrevivência [ XIV ]

manual de sobrevivência [ XIII ]

a filha de Galileu

um museu para o Eduardo

manual de sobrevivência [ XII ]

manual de sobrevivência [ XI ]

Torricelli, Pascal, Hobbes, razão, utopia e claustrofobia

manual de sobrevivência [ X ]

manual de sobrevivência [ IX ]

os diabos no quintal

     [ histórias de homens divididos

       entre muitos mundos ]

o pobre capitalismo...

as Madalenas de Caravaggio

manual de sobrevivência [ VIII ]

o alegre desespero [ António Gedeão ]

manual de sobrevivência [ VII ]

manual de sobrevivência [ VI ]

manual de sobrevivência [ V ]

manual de sobrevivência [ IV ]

manual de sobrevivência [ III ]

sombras [ José Gomes Ferreira ]

Phoolan Devi [ a valquíria dos pobres ]

schadenfreude [ capitalismo e inveja ]

a vida não é para cobardes

europa

a III Grande Guerra

FUCK YOU!

EU — die 27 kühe [ as 27 vacas ]

europa tu és uma puta!

bastardos!

o daguerreótipo de Deus...

o honrado cigano Melquíades...

cem anos de solidão...

manual de sobrevivência [ II ]

o salvador da América [ Allen Ginsberg ]

o salvador da América [ Walt Whitman ]

[ revolução V ] as mães do Alcorão

[ revolução IV ] paraíso e brutalidade

[ revolução III ] andar para trás...

[ revolução II ] para onde nos levam...

[ revolução I ] aonde nos prendem...

o problema da habitação

cartas de amor

a herança de Ritsos

as piores mentiras

elegia anti-capitalista

da janela de Vermeer

manual de sobrevivência [ I ]

de novo o Blitz...

antes de morrer

as valquírias

forretas e usurários

           [ lições da tragédia grega ]

Balthus, o cavaleiro polaco

abençoados os que matam...

diário kafkiano

Bertrand Russell: amor e destroços

U.E. — game over

DSK: uma pila esganiçada

coração

kadafi

o tempo e a eternidade

Bucareste, 1989: um Natal comunista

mistério

o Homem, a alma, o corpo e o alimento

          [ 1. a crise da narrativa ]

          [ 2. uma moral pós-moderna? ]

          [ 3. a hipótese Estado ]

o universo (im)perfeito

mural pós-moderno

Lisboa — saudade e claustrofobia

          [ José Rodrigues Miguéis ]

um cancro na América

Marx, (...) capital, putas e contradições

ás de espadas

pedras assassinas

Portugal — luxúria e genética

rosas vermelhas

Mozart: a morte improvável

1945: garrafas

1945: cogumelos

bombas de açúcar

pão negro

Saramago: a morte conveniente

os monstros e os vícios

porcos e cinocéfalos

o artifício da usura

a reserva de Mallarmé

o labirinto

os filhos do 'superesperma'

a vida é uma dança...

a puta que os pariu a todos...

walk, walk, walk [Walter Astrada]

Barthes, fotografia e catástrofe

Lua cheia americana [Ami Vitale]

a pomba de Cedovim

o pobre Modigliani

o voo dos pimparos

o significante mata?

a Europa no divã

a filha de Freud

as cores do mal

as feridas de Frida

perigosa convivência

—querida Marina! («I'm just a patsy!»)

a grande viagem...

histoire d'une belle humanité

o coelhinho foragido

o sono dos homens...

«propriedade do governo»

os dois meninos de O'Donnell

o barco dos sonhos

farinha da Lua

o enigma de Deus

«nong qua... nong qua...»

«vinho de arroz...»

magnífica guerra!

a lei do Oeste...

Popper (1902-1994)

 

 

 

SnapShots

 

 

os dias todos iguais, esses assassinos...

 

um cancro na América

 

 

Foi libertada, no sábado passado, 13 de Novembro, a dissidente birmanesa e Nobel da Paz (1991) San Suu Kyi. Falando-se de liberdade, recordo um momento em que Kyi apontou para a sua cabeça e disse mais ou menos isto: «Aqui sou livre. Aqui eles não me podem atingir...»

O episódio fez-me lembrar Allende. Talvez porque também na cabeça do presidente do Chile deposto em 1973 havia uma certa doença, um 'cancro' que a América não queria compreender.

 

Falemos hoje do caso chileno, pois no próximo dia 10 de Dezembro completar-se-ão 4 anos sobre a morte do ditador Pinochet. De passagem por uma universidade de Roma, o poeta mexicano Carlos Fuentes disse então: «El diablo va a tener un mal día, porque le van a quitar la presidencia del infierno.»

 

Se os americanos já lamentaram os anos de ditadura chilena, é legítimo esperar que os comunistas possam arrepender-se também da repressão sobre a República de Myanmar.

A que distância fica, afinal, o céu do inferno?

 

 

 

foto ORLANDO LAGOS/The New York Times, 11 de Setembro de 1973.

Resistência de Allende ao ataque aéreo sobre o Palácio La Moneda, Santiago.

A identidade do fotógrafo só foi revelada um ano após a sua morte, em Fevereiro de 2007. Prémio World Press Photo.

 

 

«O pobre Pinochet deve estar preso». Segundo El Negro (Carlos Jorquera, jornalista, membro do GAP e um dos sobreviventes de La Moneda) foram exactamente estas as palavras de Salvador Allende, pronunciadas quando seriam umas sete e meia da manhã do dia 11 de Setembro de 1973, pouco depois de saber que a Marinha tinha sido infectada por traidores que se preparavam para assaltar o poder a partir de Valparaíso. O presidente chileno tomava o seu chefe do Estado-Maior do Exército por inocente, mas no corpo agrilhoado dessa insidiosa América herdeira do macarthismo os únicos inocentes (os únicos verdadeiros ingénuos) só poderiam ser os intrusos comunistas.

 

 

 

 

El diablo Pinochet: alguns capítulos da ditadura

 

«Não recuarei um passo! Eles que saibam que só abandonarei La Moneda quando cumprir o mandato que o povo me deu. Só crivando o meu corpo de balas me impedirão de cumprir o programa popular.»

ALLENDE

Estádio Nacional de Santiago, 2 de Dezembro de 1971.

 

 

 

O filho da puta

A solitária resistência de Allende começou com uma longa perseguição da CIA, muito antes de 73, mas a grande ameaça ao líder do governo da Unidade Popular deu-se no mandato de Nixon: «—Son of a bitch! —Son of a bitch!», exclamava o presidente americano, no seu gabinete da Casa Branca, batendo furiosamente com o punho direito na palma da sua mão esquerda. Segundo uma investigação feita pelo realizador chileno Patricio Henríquez ('El Ultimo Combate de Salvador Allende', Télé-Québec/France 3, 1998), metade dos EUA e grande parte da Europa — o Vaticano, as democracias cristãs de Itália e da Alemanha, as famílias reais da Bélgica e da Holanda... — estavam mobilizados e só descansaram quando La Moneda começou a arder.

 

 

Setembro

Setembro foi o mês do golpe e era o mês preferido para as execuções. Era em Setembro que a Dirección de Inteligencia Nacional-DINA mais gostava de matar. Prats (General Carlos Prats, antigo comandante-chefe do exército) foi assassinado no dia 30, Buenos Aires, Setembro, 1974. Letelier (Orlando Letelier, político e diplomata opositor do regime) foi igualmente vítima de um engenho fabricado por Michael Townley, supostamente comandado à distância por dissidentes cubanos residentes em Miami, no dia 21, Washington, Setembro, 1976. Era principalmente em Setembro que os corpos dos comunistas apareciam a boiar nos rios do Chile.

 

 

Nos rios do Chile...

As manhãs dos dias que se seguiram ao 11 de Setembro foram de contagem dos mortos. Durante 15 anos centenas de viúvas dirigiam-se às margens do Ñuble e do Mapocho, ou viajavam até ao porto de Talcahuano, na esperança de reaverem os corpos dos seus maridos desaparecidos. Muitos foram resgatados sem cabeça, com as mãos atadas atrás das costas, queimados por pontas de cigarros, cravados de balas e com os testículos esmagados. Outros, nunca apareceram, porque foram lançados às águas por helicópteros do exército depois de abertos pelo abdómen e esviscerados para que não flutuassem.

 

 

The Anarchist Cookbook, trinitrato e frascos Chanel

Michael Townley era um aventureiro americano, um burguês neo-nazi que se colocou ao serviço do general Contreras (então director da DINA). Ele e a sua namorada costumavam reunir grupos de fascistas nas ruas de Santiago para protestar contra o governo de Allende, que acusavam de perseguir os ricos e favorecer os pobres. Com a ajuda d'O Livro de Cozinha do Anarquista' (The Anarchist Cookbook, de William Powell, 1971) Townley tornou-se especialista no fabrico de cocktails molotov e outros explosivos plásticos com TNT e açúcar, a que chamava «bombas sujas». Para aquilo que ele designava por «mortes discretas» usava frascos de perfume Chanel com gás asfixiante.

 

 

A discoteca, a sex-shop e o Valoria

Os veleiros “Lebu”, “Maipo” e “La Esmeralda” (o imponente navio-escola da Marinha chilena, também conhecido por Dama Branca), tal como a famosa Colónia Dignidad (a Villa Baviera, fundada em 1961 por um grupo de ex-nazis alemães) foram utilizados pela polícia secreta para praticar torturas. Segundo relatos de sobreviventes que testemunharam para um documentário do realizador britânico Christopher Olgiati ('The Assassin', BBC-Paladim, 1992), num desses inúmeros centros de tortura havia uma sala a que chamavam «discoteca», porque ali colocavam música para abafar os gritos das vítimas. Ao lado da «discoteca» havia uma outra sala, a que chamavam «sex-shop», onde se cometiam dolorosas sevícias sexuais com a ajuda de um cão enorme de nome Valoria.

 

 

 

 

«Mis palabras no tienen amargura sino decepción. Que sean ellas el castigo moral para los que han traicionado el juramento que hicieron.»

ALLENDE, no discurso histórico de 11 de Setembro de 1973.

 

«Andaban a zancadas por las tremendas cordilleras, por las Américas encrespadas, buscando patatas, butifarras, frijolitos, tabaco negro, oro, maíz, huevos fritos, con aquel apetito voraz que nunca más se ha visto en el mundo...

Todo se lo tragaban, con religiones, pirámides, tribus, idolatrías iguales a las que ellos traían en sus grandes bolsas...

Por donde pasaban quedaba arrasada la tierra...

Se llevaron el oro y nos dejaron el oro...

Se lo llevaron todo y nos dejaron todo...

Nos dejaron las palabras.»

PABLO NERUDA, 'Las palabras', in Memorias, 1974.

 

 

Inspirada no gigantesco abutre que sobrevoa e aterroriza a Cordilheira dos Andes, a trágica Operação Condor foi fatal para a maligna carne comunista, não só no Chile, mas também na Argentina, na Bolívia, no Brasil, no Paraguai e no Uruguai. Para Nixon, Kissinger, Haig... e afinal para toda essa América melodramática e hipocondríaca, foi uma espécie de cura que fez sofrer mais do que a própria doença.

 

______

Lo que las palabras no dicen

Quando na madrugada de 11 de Dezembro de 2006, no salão de honra da Escola Militar do Libertador Bernardo O'Higgins, em Santiago, se velava o corpo de Pinochet, Francisco Cuadrado Prats (neto de Carlos Prats) aproximou-se do defunto e cuspiu-lhe na cara, sobre a redoma de vidro. Perguntaram-lhe, então, porque o havia feito e se não temia represálias. Ele respondeu: «Él asesinó a mis abuelos!» E explicou depois aos jornais: «Sólo fue un gesto y los gestos dicen lo que las palabras no pueden expresar.»

 

 

 

anterior  |  início  |  seguinte

 

 

A alma tem muitos inquilinos

que estão frequentemente em casa todos ao mesmo tempo.

GÖRAN PALM

 

webdesign antero de alda, desde 2007