contacto

poesia

fotografia

home

 

  Post 200 -  Março de 2015  

 

foto: Carlos Vilela 2010

 

www.anterodealda.com

 

 

pesquisar neste blog

 

Recentes

 

o editor pergunta-me...

          [ Retratos e transfigurações ]

mentirosos

enganados

o libertino

o editor pergunta-me...

          [ Mil vidas tem S. Gonçalo ]

 

 

Antigas

 

diário íntimo XXXV

o editor pergunta-me...

          [ Europa — fuck you! ]

diário íntimo XXXIV

diário íntimo XXXIII

diário íntimo XXXII

diário íntimo XXXI

diário íntimo XXX

diário íntimo XXIX

diário íntimo XXVIII

diário íntimo XXVII

diário íntimo XXVI

diário íntimo XXV

diário íntimo XXIV

diário íntimo XXIII

Europa, dá-me a minha estrela!

a Europa é um gulag!

os suicidas de Marpi Point

diário íntimo XXII

diário íntimo XXI

diário íntimo XX

diário íntimo XIX

diário íntimo XVIII

diário íntimo XVII

diário íntimo XVI

diário íntimo XV

diário íntimo XIV

diário íntimo XIII

diário íntimo XII

diário íntimo XI

diário íntimo X

diário íntimo IX

diário íntimo VIII

diário íntimo VII

diário íntimo VI

diário íntimo V

diário íntimo IV

diário íntimo III

diário íntimo II

diário íntimo I

já ninguém anda a pé [ IV ]

já ninguém anda a pé [ III ]

já ninguém anda a pé [ II ]

já ninguém anda a pé [ I ]

o trabalho não mata

o beijo do insecto

          [ Leopoldo María Panero ]

o estranho mundo de Edward Hopper

silêncio(s) sempre...

          [ António José Forte ]

silêncio(s) ainda... [ Sylvia Plath ]

silêncio(s)... [ José Agostinho Baptista ]

um estranho lugar de chuva

          [ homenagem a Pablo Neruda ]

não há só um Deus

o editor pergunta-me...

          [ a reserva de Mallarmé ]

o ministro foi às putas de pequim

manual de sobrevivência [ XXV ]

o comboio de... Cristina Peri Rossi

o tesoureiro de Leipzig

manual de sobrevivência [ XXIV ]

manual de sobrevivência [ XXIII ]

manual de sobrevivência [ XXII ]

e o lado oculto da Europa...

a Espanha oculta de...

          [ Cristina García Rodero ]

o cortejo dos amortalhados

EU — only for rich

a essência do Capitalismo

a essência de um Capitalista

os filhos do Diabo

manual de sobrevivência [ XXI ]

ódio à Democracia [ III ]

ódio à Democracia [ II ]

ódio à Democracia [ I ]

Warhol [ 85 anos ]

manual de sobrevivência [ XX ]

manual de sobrevivência [ XIX ]

manual de sobrevivência [ XVIII ]

taitianas de Gauguin

retratos de Van Gogh

nunca serei escravo de nenhum terror

as coisas [ Jorge Luis Borges ]

manual de sobrevivência [ XVII ]

manual de sobrevivência [ XVI ]

Portugal, noite e nevoeiro

o corno de Deus

manual de sobrevivência [ XV ]

manual de sobrevivência [ XIV ]

manual de sobrevivência [ XIII ]

a filha de Galileu

um museu para o Eduardo

manual de sobrevivência [ XII ]

manual de sobrevivência [ XI ]

Torricelli, Pascal, Hobbes, razão, utopia e claustrofobia

manual de sobrevivência [ X ]

manual de sobrevivência [ IX ]

os diabos no quintal

     [ histórias de homens divididos

       entre muitos mundos ]

o pobre capitalismo...

as Madalenas de Caravaggio

manual de sobrevivência [ VIII ]

o alegre desespero [ António Gedeão ]

manual de sobrevivência [ VII ]

manual de sobrevivência [ VI ]

manual de sobrevivência [ V ]

manual de sobrevivência [ IV ]

manual de sobrevivência [ III ]

sombras [ José Gomes Ferreira ]

Phoolan Devi [ a valquíria dos pobres ]

schadenfreude [ capitalismo e inveja ]

a vida não é para cobardes

europa

a III Grande Guerra

FUCK YOU!

EU — die 27 kühe [ as 27 vacas ]

europa tu és uma puta!

bastardos!

o daguerreótipo de Deus...

o honrado cigano Melquíades...

cem anos de solidão...

manual de sobrevivência [ II ]

o salvador da América [ Allen Ginsberg ]

o salvador da América [ Walt Whitman ]

[ revolução V ] as mães do Alcorão

[ revolução IV ] paraíso e brutalidade

[ revolução III ] andar para trás...

[ revolução II ] para onde nos levam...

[ revolução I ] aonde nos prendem...

o problema da habitação

cartas de amor

a herança de Ritsos

as piores mentiras

elegia anti-capitalista

da janela de Vermeer

manual de sobrevivência [ I ]

de novo o Blitz...

antes de morrer

as valquírias

forretas e usurários

           [ lições da tragédia grega ]

Balthus, o cavaleiro polaco

abençoados os que matam...

diário kafkiano

Bertrand Russell: amor e destroços

U.E. — game over

DSK: uma pila esganiçada

coração

kadafi

o tempo e a eternidade

Bucareste, 1989: um Natal comunista

mistério

o Homem, a alma, o corpo e o alimento

          [ 1. a crise da narrativa ]

          [ 2. uma moral pós-moderna? ]

          [ 3. a hipótese Estado ]

o universo (im)perfeito

mural pós-moderno

Lisboa — saudade e claustrofobia

          [ José Rodrigues Miguéis ]

um cancro na América

Marx, (...) capital, putas e contradições

ás de espadas

pedras assassinas

Portugal — luxúria e genética

rosas vermelhas

Mozart: a morte improvável

1945: garrafas

1945: cogumelos

bombas de açúcar

pão negro

Saramago: a morte conveniente

os monstros e os vícios

porcos e cinocéfalos

o artifício da usura

a reserva de Mallarmé

o labirinto

os filhos do 'superesperma'

a vida é uma dança...

a puta que os pariu a todos...

walk, walk, walk [Walter Astrada]

Barthes, fotografia e catástrofe

Lua cheia americana [Ami Vitale]

a pomba de Cedovim

o pobre Modigliani

o voo dos pimparos

o significante mata?

a Europa no divã

a filha de Freud

as cores do mal

as feridas de Frida

perigosa convivência

—querida Marina! («I'm just a patsy!»)

a grande viagem...

histoire d'une belle humanité

o coelhinho foragido

o sono dos homens...

«propriedade do governo»

os dois meninos de O'Donnell

o barco dos sonhos

farinha da Lua

o enigma de Deus

«nong qua... nong qua...»

«vinho de arroz...»

magnífica guerra!

a lei do Oeste...

Popper (1902-1994)

 

 

SnapShots

 

 

os dias todos iguais, esses assassinos...

 

 

«Sou a amante dele, mas sou sua súbdita.»

Elizabeth Barry, a amante do Conde de Rochester, dirigindo-se a Carlos II, em O Libertino.

 

 

o libertino

 

«Vocês não vão gostar de mim», diz o libertino no prólogo do filme de Laurence Dunmore (Inglaterra, 2004). O mesmo poderia ter dito Yanis Varoufakis (o outro «estupor impertinente»), ministro das Finanças do novo governo radical de esquerda da Grécia, quando entrou pela primeira vez no parlamento da União Europeia para propor o fim das políticas de austeridade. «Sou John Wilmot, segundo Conde de Rochester, e não desejo ser apreciado por vós...»

 

 

Yanis Varoufakis, ministro das Finanças do governo grego de Alexis Tsipras.

foto YORGOS KARAHALIS/Bloomberg, 2015.

 

 

 

 

«Wren [ou a Europa?] está infeliz... e teme não haver espaço para a liberdade artística», é o que se deduz do grito de Carlos II, aliado de Luís XIV no estertor dos anos de glória do domínio absolutista. E concluiu: «Isabel teve o seu Shakespeare... dai-me uma obra-prima!», não supondo que o poeta Wilmot, o libertino, congeminava contra «o trouxa da Inglaterra» e o «fanfarrão da França», pois «o poema é um ataque à monarquia».

 

 

 Ainda em O Libertino, diz o Conde de Rochester ao novato Mr. Downs: «A minha companhia será a vossa morte». «Duma maneira geral, o poder é uma coisa que eu não quero ter», declarou o ministro das Finanças (o Satyros grego), numa entrevista à revista alemã Stern, no passado dia 12 de Fevereiro. Ditos assim, embora qualquer um dos mortais possa ter fé numa outra Europa, Varoufakis parece não merecer grande confiança...

 

Sugerindo os mesmos dilemas de Edward Pococke à crítica da razão de Wilmot (A Satyr Against Reason and Mankind, ou a sátira contra a razão e a humanidade, c. 1674), Wolfgang Schäuble, o ministro das Finanças da Alemanha, apresenta os governos português e espanhol como troféus das políticas de austeridade, e diz: «Tenho pena dos gregos, que elegeram um governo que de momento se comporta de maneira bastante irresponsável» (Deutschlandfunk, 16 de Fevereiro). Dois dias depois, o novo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, veio admitir que «pecámos contra a dignidade dos povos, especialmente na Grécia e em Portugal e algumas vezes na Irlanda» (Comité Económico e Social, 18 de Fevereiro). Afinal, estaria a Grécia à espera de uma solução vinda da Europa ou era a Europa que estava à espera de um milagre vindo da Grécia?

 

Porque, nas suas próprias palavras, tudo tem um preço («Deixais cair um lenço e ele volta para vos sufocar»), John Wilmot morreu muito cedo, aos 33 anos, desgraçado pela sífilis ou gonorreia ou outra qualquer doença venérea típica de amantes de prostitutas interesseiras («não aprecio putas com sentimentos»).

 

Afinal, como Elizabeth Barry no filme de Laurence Dunmore, todos somos súbditos do rei e amantes do libertino...

 

 

 

anterior  |  início  |  seguinte

 

 

A alma tem muitos inquilinos

que estão frequentemente em casa todos ao mesmo tempo.

GÖRAN PALM

 

webdesign antero de alda, desde 2007